Proporção Áurea vai te levar a Foto Perfeita

Muitas vezes até parece que fotografar é fácil, né? Mas se mergulharmos bem fundo nas técnicas, veremos que há muito que aprender. E, pasme!, até matemática. Vamos falar desta vez da proporção áurea.

O que é a proporção áurea e como aplicá-la?

Pois é. Nunca ouviu falar? Como é bem complicado, e não queremos complicar nada, só melhorar sua prática fotográfica, vamos explicar o que a proporção áurea, aplicada à fotografia, pode fazer por você. O cálculo matemático é muuuito complexo. Então, vamos pular essa parte, ok?

É a proporção áurea que vai te levar à foto perfeita. Além de harmonizar a imagem, ela direciona o olhar à parte mais importante da imagem. Neste sentido, é o mesmo que já tratamos no artigo sobre a regra dos terços.

Mas vamos à parte prática. Olha só essa imagem!

Proporção Áurea vai te levar a Foto Perfeita

Percebe que há o desenho de um caracol?

Segundo alguns estudos, é exatamente no “miolinho” do caracol que nós prestamos mais atenção quando olhamos uma fotografia. Aplicar a proporção áurea significa colocar o objeto principal de sua foto nesse miolinho. Como?

Treinando o olhar. Quando estiver diante de um cenário e já souber o que deseja fotografar – ou seja, o seu objeto – basta desenhar na imaginação um caracol em torno do objeto. Aí você vai saber exatamente como enquadrar.

Se toda vez que você for fotografar algo, imaginar esse caracol no enquadramento que estiver pensando dar, saberá exatamente qual parte do cenário enquadrar. Sua foto ficará muito mais harmônica e, consequentemente, bonita.

Importante: o seu objeto nunca poderá estar no centro da imagem. Se reparar, não é possível desenhar um caracol quando o objeto está no meio do enquadramento.

Se ainda estiver difícil, recorra à regra dos terços. O seu objeto deve estar em um dos quatro pontos mais importantes dessa regra.

Alguns celulares já vêm com essas linhas em suas câmeras, o que torna tudo mais fácil. Você só vai precisar reparar nessas linhas e usá-las a seu favor. Porque nem sempre reparamos, né?

Bora treinar?

Composição: Uma Lição Bem Importante na Fotografia

Hoje vamos falar de composição. Uma das lições mais importantes de fotografia.

Sem a composição, dificilmente sua foto será uma foooto. Sabe? Não? Vamos explicar!

Composição é a cena. Ou como a cena está composta. É um diferencial saber o que levar em consideração antes de clicar. Esse, talvez, seja o maior talento de um fotógrafo. Porque, se pensarmos bem, uma cena comum consegue aos olhos dele se tornar magnífica. Porque ele sabe o que valorizar!

Como criar a melhor Composição

Composição vem do verbo compor. Ou seja, criar a cena, montar a cena. No caso, é claro, de ser uma foto que você vai produzir completamente. Há cenários que são tão perfeitos que você só precisa clicar. Mas, talvez, mesmo os que já estão bem legais, você precise “compor” o que vai sair na foto. Sabe aquele enquadramento perfeito, aquele jeitinho de ver que deixa algo banal bem sensacional?

Bom, vamos ao principal!

Escolha o objeto principal da sua cena. Isso é bem importante. Elegendo o que deseja destacar, o restante será mais fácil.

Agora, qual será a orientação da sua foto? Vertical ou horizontal? Como quase tudo vai parar nas redes sociais, é preciso também escolher o formato: retangular, quadrado ou panorâmico?

Parece que não é importante, mas escolhendo orientação e formato primeiro, você terá uma ideia melhor do que enquadrar, do que colocar como objeto principal da foto. Pode ser o contrário, claro. Uma paisagem pode ser tão linda que ela não exija menos do que uma panorâmica.

Outra coisa importante: há textura, ou linha, ou algum formato geométrico que deseja destacar? Ou que seja importante levar em consideração? Isso também ajuda na hora da composição.

Observe também:

  • Combinação de cores;
  • Plano de fundo;
  • Evite deixar o objeto principal no meio da foto;
  • Observe a proporção dos elementos;
  • Simplifique a foto. Evite exageros. Menos é mais também na fotografia.

É isso aí. Agora é só treinar antes de clicar até ficar automático. Acredite, fica. Você vai virar um craque de composição de foto! E aí é só fazer um lindo Fotolivro com suas melhores fotografias!

Distância Hiperfocal: A distância do infinito na sua Foto

Temos apresentado muitas técnicas de fotografia ultimamente, não é? Esperamos que você esteja aproveitando para aprimorar seu próprio estilo de fotografar e assim fazendo muitos cliques incríveis! Hoje queremos falar sobre distância hiperfocal. Já ouviu esse “termo” por aí?

Pois bem! Vamos tentar explicar de maneira bem simples. Como tudo na fotografia, já ressaltamos que é preciso muito treino para “pegar o jeito”, e que é imprescindível conhecer bem a sua própria câmera fotográfica. Descobrir quais são as funcionalidades disponíveis, abertura, velocidade, profundidade…

Normalmente, quando vamos fotografar nos deparamos com um cenário que nos oferece duas possibilidades: primeiro plano ou infinito? Ou seja, o que está bem próximo da câmera e o que está mais distante. Aí, basta escolher um dos dois e pronto.

Agora, e quando um cenário está tão lindo que você quer os dois? Pois é… Que complicado! Ou talvez não…

É nessa hora que entra em cena esse elemento essencial para fotografar: a distância hiperfocal.

Então, podemos dizer aqui que a distância hiperfocal é essa “técnica”, ou funcionalidade que vai ajudá-lo a ter mais “controle” do foco do cenário que você deseja registrar. Em outras palavras, você terá na imagem que deseja capturar elementos “de perto” e elementos “de longe” com o mínimo de foco. Mínimo porque não tem como garantir total nitidez, mas dá sim para garantir foco de qualidade.

O que é a distância hiperfocal?

É a distância do infinito (ponto máximo que a lente alcança) e a câmera fotográfica.

Como “regular” o foco e capturar o maior número de elementos?

Simples, foca no infinito. Aumentando assim a profundidade de campo e diminuindo a distância hiperfocal. É isso que vai fazer com que o máximo de elementos do cenário fique com foco.

Vale ressaltar que a distância hiperfocal é necessária apenas quando há elementos em primeiro plano, próximos da lente, mas não “grudados” na lente. Ou seja, muito, muito próximos. Será praticamente impossível focar nas duas distâncias se o primeiro elemento estiver “grudado” na lente. Ah, é importante também verificar a capacidade de “enxergar longe” de cada lente, o que varia bastante.

Em resumo, utilize a distância hiperfocal quando precisar, mas vai testando bastante, para ficar cada vez melhor. Não deixe de revelar suas fotos para exibir as maravilhosas fotos que foram tiradas.

Boa sorte!

Contraluz: Uma técnica de Fotos nas Sombras

Ei, que tal aprender hoje mais uma técnica de fotografia? Uma que vai deixar suas fotos diferentes e surpreendentemente lindas. Essa técnica chama-se contraluz. E sabe o melhor? Ela é muito fácil de aplicar!

Sem dúvida, você já viu fotografias com essa técnica. São fotos que destacam o fundo, deixando o que está na frente sempre em sombras. Olha só esse exemplo:

Para que suas fotos saiam com essa luz linda atrás, basta fotografar com o sol atrás do objeto principal. Ou seja, você vai estar de frente para o Sol e o seu objeto contra o Sol.

Você pode – e deve – brincar com todas as possibilidades que esse jogo de luz e sombra proporciona. Você pode aproveitar também a hora mágica para fazer fotos contraluz. O nascer do sol e o pôr do sol são momentos belíssimos para fazer fotos assim. As cores naturais vão deixar sua foto como as de um profissional. E aí, você já sabe o que fazer, né? Revelar suas fotos!

Silhueta é Contraluz

A técnica contraluz também é conhecida como silhueta. Isso por causa das sombras que são mesmo muito intensas e não permitem que o objeto seja visto em detalhes. Esse tipo de foto cai muito bem, por exemplo, para gestantes. Namorados também podem usar e abusar dessa técnica. Fica tão romântico!

Se você estiver de malas prontas para viajar, aproveite as horas livres para fotografar e testar essa técnica. Praia, campo ou mesmo cidades movimentadas podem render lindos cliques contraluz.

É importante lembrar que nesta técnica você não deve usar flash. E para garantir meeesmo que o fundo fique perfeito, você deve dar apenas “meio click”. Ou seja, aperte o botão da câmera, mas não todo ele. Espere até que a iluminação do ambiente seja capturada, e só depois você aperta de vez. Esse tempinho do “meio click” vai ajudar a câmera a focar com mais nitidez também.

Se você já estiver craque em mexer na velocidade do obturador, você pode ir testando por ele. Vai notar que as imagens ficarão bem diferentes uma da outra. Pelo celular ou pela câmera, não importa, suas fotos contraluz têm tudo para saírem estonteantes!

Filtro Polarizador: Deixe suas Fotos mais Naturais

Você já ouviu falar em filtro polarizador? Sabe como ele pode ser muito útil na hora de fotografar? Vamos contar tudinho para você.

Chamamos de filtro polarizador um acessório que se assemelha a uma lente, e que permite apenas a passagem de luz polarizada e numa direção específica. Em resumo, ele muda a forma como sua câmera capta luz e também trata a luz, retirando os reflexos.

Por que o filtro polarizador é necessário?

Porque ele deixa a imagem mais próxima do natural, o que significa cores mais vivas e alto contraste. Quando você vê belas fotos de mar, da água transparente, pode acreditar que a câmera que capturou essas imagens tinha um filtro polarizador. Do contrário, os reflexos da água não permitiriam uma foto tão “limpa”.

Quer outro exemplo?

Quando se fotografa o céu, pode ser que a neblina ou mesmo fumaças atrapalhem. Com esse filtro, o céu também ficará mais limpo.

Mas é importante também falar que se você precisa que a foto tenha brilho, deve considerar o uso do filtro polarizador. Por exemplo, quando vemos fotos de carros zero quilômetro. O brilho é essencial para “vender” o carro. Assim como acontece com outros produtos. As cores também podem mudar um pouco com esse filtro, então, atenção nesses casos.

Agora, sua câmera não permite o uso de acessórios? Ou você quer fazer um teste pelo celular mesmo? Temos uma dica para improvisar o seu “filtro polarizador”. Coloque óculos escuros na frente do visor!

Mas, olha, se preferir algo profissional, você pode comprar uma lente com polarizador para celular. Sim, existe! Ela vem embutida em um pequeno pregador. É perfeita para levar em viagens ou mesmo para deixar na mochila para usar naqueles momentos em que você se depara com uma cena linda e não resiste registrá-la.

Vale ressaltar que o uso do filtro polarizador só faz sentido em ambientes muito iluminados. Ele é como nossos próprios óculos escuros. Logo, não faz sentido usar óculos escuros em dias nublados, escuros, de chuva.

Faça o teste! Revele suas fotos e verá o quanto elas vão ficar sensacionais!

Golden Hour: A magia das fotos no nascer e pôr do sol

Hora mágica ou golden hour, que nome para uma técnica de fotografia! Esse nome nos leva a algo prazeroso, que nos causa boas sensações, né? Tratando de fotografia, nem parece que pode ser melhor ainda do que já é, essa arte capaz de nos despertar tantos sentimentos…

Bom, mas vamos parar de divagar e vamos explicar o que é a hora mágica e as “magias” que ela pode fazer com suas fotografias.

Golden Hour no Nascer e no Pôr do Sol

Do inglês “golden hour” – hora dourada – é o período de cerca de 15 minutos que acontece antes do total amanhecer e 15 minutos antes do total pôr do sol. É quando a iluminação fica suave e dourada. Isso acontecer porque fisicamente o sol está mais longe.

Está explicado porque às vezes o Instagram se transforma em um mar de sóis? Mas é irresistível mesmo, né? Nós entendemos.

Aliás, todo mundo que ama foto entende. Fotógrafos profissionais ou amadores, ou você por aí com o seu celular, sem muita pretensão. Não importa. O que interessa é conseguir fazer a mais linda foto.

Aproveite-se então da suavidade da luz. Podemos chamá-la também de luz difusa, que já tratamos neste artigo. É essa suavidade que deixa a pele diferente, por exemplo. Por isso retratos costumam ficar ótimos ou mesmo ensaios mais delicados. Agora, tome cuidado com os contrastes. Ou aproveite para fazer fotos propositadamente.

Uma dica valiosa para fazer belas fotos na hora do por do sol ou do nascer do sol é não usar muita abertura, para não perder profundidade de campo. Cuidando desse ponto, você aproveitará outro ponto, que é a magia das cores. Se você já reparou, os tons seguem uma escala: das nuances do dourado aos de laranja, vermelho e rosa.

Agora atenção às dicas rápidas para fazer lindas fotos na golden hour:

  • Planeje seus horários;
  • Saiba exatamente que lado o sol nasce e que lado ele se põe;
  • Chegue mais cedo para se posicionar e ir testando a câmera e os ângulos;
  • Se quiser, aproveite-se da técnica Flare;

Pronto! Agora é só se programar e aproveitar para inundar o Instagram e o Facebook com belos cliques. E, claro, não se esqueça de revelar as fotos mais emocionantes por que elas merecem ser para sempre.

Flare: O “defeito” que Fará suas Fotos ficarem Lindas

Vamos aprender mais uma técnica de fotografia hoje? Que tal a Flare? Alguns a conhecem como Lens Flare. Nome bonito, não é?

Pois é, o efeito que essa técnica causa nas fotos também. Aprenda como aplicá-la e faça fotos belíssimas, iluminadas, ensolaradas, cheias de vida!

Técnica Flare – O “defeito” que faltava na sua foto

A técnica de fotografia Flare nada mais é do que um “defeito” na imagem porque a luz entrou pelas extremidades da lente. Esse “defeito” consiste em manchas de luz ou umas “bolinhas de luz”.

E essa é a parte mais legal de tudo. Quando conseguimos transformar uma imperfeição em algo bonito, um quê a mais. A técnica Flare causa mesmo uma sensação de calor na imagem. Logo, de dias bonitos, animados.

Explicando mais detalhadamente, essas manchas ou bolinhas de luz acontecem quando a luz que deveria passar apenas pelas frentes, entram pelas extremidades. E como elas passam pelas lentes mesmo assim, ou seja, passam pelo “material” que tem a lente, essa luz sofreu algumas mudanças se comparada com a luz que chegou do jeito “certo”. O que é possível ver, é claro, é uma claridade diferente da normal, efeito meio de neblina.

A ideia de fotos assim, com essa imperfeição, às vezes é tão desejada que é possível produzi-la em softwares como Photoshop, que tem um filtro próprio para isso, chamado “Lens Flare”; e até nos aplicativos para celular. Recomendamos o PicsArt, que é sensacional como um todo.

Um dos melhores momentos para se colocar a Flare em prática é a famosa – e belíssima – “Golden Hour”. Ou, como conhecemos no Brasil, a hora mágica ou hora de ouro. São dois momentos do dia em que a luz do Sol está perfeita para fotografar.

Escolha a forma de sua preferência, natural ou artificial, e treine bastante essa nova técnica. Temos certeza de que renderá lindas imagens. Aproveite um dia ensolarado no parque ou na praia, junte os amigos ou a família para fotografar bastante.

Quem sabe desse dia inesquecível não saia um memorável Fotolivro? Estamos torcendo para que suas  fotos fiquem arrasadoras!

Triângulo da Exposição e a Foto Perfeita

Falamos, outro dia, sobre as três coisas mais básicas da fotografia que você deve dominar: ISO, abertura e velocidade. Lembra-se disso? Se não, leia com calma, depois este artigo. Hoje, voltaremos ao assunto, mas de maneira mais demorada. Isso porque falaremos sobre o triângulo da exposição. O que é? Olha só como é facilzinho entender.

É esse triângulo que forma a “exposição”. Só para recapitular: ISO, é o que mede a sensibilidade da luz; Abertura é a capacidade do obturador de se abrir; e Velocidade é o tempo que o diafragma de sua câmera fica aberto, permitindo assim que a luz entre.

Por que o triângulo da exposição é importante?

Porque é com ele que a imagem é composta. Ele ajuda a deixar as três pontas desse triângulo em harmonia. Se uma ou outra se desequilibra, compromete o resultado da imagem.

Vale dizer, contudo, que não existem medidas exatas para usar esse triângulo. ISO tal combina com tal abertura e tal velocidade. Não. As três partes podem variar de acordo com o que você deseja para a sua imagem. O triângulo da exposição é útil, portanto, para apenas equilibrar os três lados de acordo com o que você deseja.

Para ficar bem didático, imagine que sua câmera é a sala de sua casa. A janela é o obturador e as persianas a abertura.

A entrada de luz dependerá do quanto você abre essas persianas. E, também, a velocidade que essas persianas ficam abertas. Controlar tudo isso é o segredo de uma boa exposição. Ou seja, a quantidade de luz que entra, a velocidade e o quanto você deseja que entre, pouca ou muita luz, que é a sensibilidade que vai escolher através do ISO.

Quando estiver treinando a aplicação do triângulo da exposição, saiba que pode demorar um pouquinho até que consiga equilibrar os três lados. Vale reforçar que os desequilíbrios em qualquer um dos lados pode alterar, por exemplo, a profundidade do campo, ruídos na imagem e o próprio movimento.

Por isso treine bastante. Observe em qual lado do triângulo você deve melhorar e em qual tipo de exposição. Com paciência, suas fotos ficarão sensacionais.

Boa sorte!

ISO: Regulando a Sensibilidade à Luz do Ambiente

Hoje vamos falar de algo bem básico da fotografia, mas extremamente importante: o ISO, ou sensibilidade ISO.

Entender deste assunto é tão importante quanto entender da abertura e velocidade do obturador.

O que é ISO?

Vem da sigla International Standards Organization. E o que significa? Ele indica a sensibilidade do sensor da sua câmera à luz do ambiente. Na prática, é bem simples:

Maior número = Maior sensibilidade para perceber luz.

Menor número = Menor sensibilidade para perceber luz.

Quem fotografa há mais tempo, lembra que o nome usado era ASA. Isso para as câmeras analógicas. Antes, não era possível trocar o ISO a cada foto, como hoje, com as câmeras digitais. Se um fotógrafo começava o filme com um tipo, ele tinha que ir até o fim. Seja o filme de 12, 24 ou 36 poses.

Hoje, cada vez que um fotógrafo aumenta o ISO, o sensor dobra sua capacidade de sentir a luz. As escalas são as seguintes: 100, 200, 400, 800, 1600, 3200 e por aí vai.

Guia de sensibilidade do ISO na câmera fotográfica É impossível fotografar sem o ISO. Hoje, todas as câmeras informam qual está sendo usado, então, é só ajustar caso queira a foto de outro jeito. Importante dizer que quanto maior for o ISO, mais risco você corre de comprometer a qualidade da foto. Há o risco de deixar a imagem “granulada”. Ou seja, se o dia estiver bonito, com luz boa, não o aumente.

Logo, quando o ambiente estiver muito escuro, aumente-o. Há outros recursos, é claro, como usar o flash ou aumentar a abertura, mas você pode combinar esses três recursos.

Como escolher o melhor?

As câmeras fotográficas costumam oferecer de 100 a até 1600. Quanto mais recente, porém, o espectro é maior.

Então, recapitulando:

ISO, abertura e velocidade são os assuntos que você deve dominar. Nada menos do que isso. Os três mais importantes recursos da fotografia são os que vão garantir fotos lindas.

Anime-se depois para fazer um Fotolivro autoral com suas fotos. Vale a pena guardar seus cliques para sempre. Os mais lindos você ainda pode transformar em um elegante Canvas. Fica a dica! 😉

Regra Sunny 16: A Exposição da Luz do dia nas Fotos

Vamos falar de mais uma técnica de fotografia? Desta vez, vamos ensinar como colocar em prática a regra sunny 16. Nunca ouviu falar? Olha só o que ela pode fazer por suas fotos!

A regra sunny 16 ajuda você a estimar corretamente a exposição à luz do dia, sem ser necessário o uso de fotômetro. Antes de tudo, então, vamos explicar o que é o fotômetro.

O fotômetro é um aparelho que mede a intensidade da luz. Olha só como ele é:

O uso do fotômetro é comum entre fotógrafos e cinegrafistas para medir a intensidade da luz em um determinado ambiente e assim conseguir bons filmes e imagens.

A Regra Sunny 16 não é uma Regra

Apesar de ser conhecida como “regra sunny 16”, não é uma regra. Melhor seria considerar um método, um guia, algo que se pode seguir ou não. Ou seja, não há obrigatoriedade. Mas como é conhecida desta forma, vamos manter o nome aqui.

Bom, vamos à prática?

É bem simples usar a regra sunny 16, olha só. Nos dias ensolarados, basta usar a abertura igual ao ISO do filme. Por exemplo, para filme ISO 100 escolha velocidade 1/100 s.

Já a abertura, você pode usar ajustar de acordo com essa tabela:

Hoje, com as câmeras digitais, é possível trocar a sensibilidade ISO a cada foto. Quando a regra sunny 16 surgiu, não. Ela foi, na verdade, uma alternativa para medir a intensidade da luz. Além do mais, antes também não era possível verificar se a foto havia ficado boa.

Então, a regra sunny 16 foi criada para ajudar quem trabalhava com imagem. Por isso que, como dissemos no início, ela ajuda quem não possui um fotômetro.

Como ela se aplicar apenas às áreas externas, e deve ser entendida apenas como um guia, será interessante que, na medida em que for praticando e entendendo à lógica desses números, vá decorando esses números.

Assim como acontece com todas as técnicas. Depois de dominá-la, você poderá quebrá-la.

Desejamos ótima prática e, nunca se esqueça: revele suas fotos. Foto é um pedacinho de memória que merece ser guardado para sempre.